Morales pede ajuda de Papa para libertar bolivianos do Chile

Morales pede ajuda de Papa para libertar bolivianos do Chile
O pedido, divulgado na conta do Twitter do mandatário, acontece dois meses após o grupo de nove bolivianos serem presos por autoridades chilenas

11MAI2017| 14h57 - Evo Morales - ANSA

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou nesta quinta-feira (11) que enviou uma carta ao Papa Francisco para pedir que o líder da Igreja Católica interceda pela libertação do grupo de bolivianos detido no Chile.

O pedido, divulgado na conta do Twitter do mandatário, acontece dois meses após o grupo de nove bolivianos serem presos por autoridades chilenas em áreas da fronteira entre os dois países.

Os cidadãos foram acusados de roubo, porte de armas ilegais e contrabando. O pedido de prisão preventiva foi emitido enquanto o caso é investigado.

Na carta, o presidente apelou para o “primeiro Papa latino-americano, amigo dos pobres e excluídos da sociedade” para interceder pela libertação antecipada dos bolivianos.

Segundo o texto, a situação continua se agravando, principalmente pela revista excessiva e abusiva que os familiares dos presos precisam passar antes de visitá-los no Centro Penitenciário.

Além disso, Morales afirmou que “nós queremos que uma delegação visite Iquique para assegurar a proteção dos direitos humanos” de seus compatriotas. “Para o governo e povo da Bolívia, a prisão de nove funcionários bolivianos, que ocorreu no domingo, 19 de março, de 2017, foi inadequada, arbitrária e teve uso excessivo da força pelas autoridades do Chile”, escreveu Morales.

Até o momento, o Vaticano não se pronunciou sobre a carta. O caso entre La Paz e Santiago aconteceu depois do presidente boliviano anunciar o deslocamento de tropas das forças armadas em direção à fronteira entre o país e o Chile para apoiar a luta contra o contrabando.

A ação provocou uma resposta imediata do ministro chileno das Relações Exteriores, Heraldo Muñoz, que advertiu o ato. “É delicado, não queremos transformar em algo perigoso. Existem mecanismos de cooperação entre os dois países para combater o crime organizado”, ressaltou.

O Chanceler chileno ainda disse que “o importante é manter uma atitude prudente e não escalar para algo que poderia ser perigoso”. Por sua vez, Morales afirmou que o envio de tropas para a fronteira “não é agressão. Nossa força é contra o contrabando e não contra o governo, e nem o povo chileno”.

A Bolívia e o Chile têm uma relação tensa desde a Guerra do Pacífico de 1879, onde La Paz perdeu a sua qualidade marítima.

Para recuperar o acesso ao Pacífico foi preciso acionar a Corte Internacional de Haia, que processou o governo de Santiago. (ANSA)

 

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *