Após denunciar mineração ilegal, líder indígena tem casa invadida

Após denunciar mineração ilegal, líder indígena tem casa invadida

| IDNews | Manaus/AM | Folhapress | Via Notícias ao Minuto |Brasil|

Alessandra Korap teve a sua casa invadida em Santarém (PA)

IDN/Brasil/PA

Dias após denunciar mineradores ilegais e madeireiros em Brasília, a líder indígena Alessandra Korap, 35, do povo mundurucu, teve a sua casa invadida em Santarém (PA). Os criminosos levaram documentos, tablet, celular e o cartão de memória de sua câmera fotográfica.

Segundo relatou Korap à Folha, a invasão ocorreu entre o final da tarde e o início da noite deste sábado (30), período em que ela saiu de casa junto com o marido e os dois filhos. Na volta, encontraram a casa arrombada.

Os invasores levaram uma mochila onde Korap guardava diversos documentos e outros materiais impressos. Já a câmera fotográfica foi deixada aberta sobre a cama. A TV também foi furtada, mas o botijão de gás, um dos itens mais roubados na região, ficou para trás.

Assustada, a família dormiu na casa de um amigo e agora está em um local não divulgado. Neste domingo, Korap tentou fazer um boletim de ocorrência na Polícia Civil, mas foi orientada a voltar na segunda-feira (2), sob a justificativa de que, para registrar no plantão, é preciso haver flagrante.

No último dia 20, ela fez parte de uma comitiva de cerca de 50 mundurucus que viajou a Brasília para denunciar o garimpo de ouro, madeireiros, ameaças de morte contra lideranças e cobrar a demarcação de terras indígenas, cujos processos estão paralisados.

Um vídeo com uma fala de Korap na capital federal circulou em grupos de WhatsApp de garimpeiros. Alguns escreveram comentários e gravaram áudios em tom de ameaça contra a líder mundurucu.

Localizada no sudoeste do Pará, a Terra Indígena Munduruku é uma das mais afetadas pela mineração ilegal. Centenas de quilômetros de rios e igarapés estão com a água enlameada e contaminada de mercúrio. A extração é feita por PCs (escavadeiras), que desviam os cursos d’água e destroem a mata ciliar, um sistema mais próximo da mineração do que do garimpo tradicional.

“A gente vem denunciando há vários anos contra garimpo e madeira. Com o governo Bolsonaro, piorou, a reação dos que querem tomar as terras indígenas é muito grande”, diz Korap. “Nós, mulheres mundurucus, estamos enfrentando madeireiros e garimpeiros. Por que a Polícia Federal, o Ibama e o ICMbio não enfrentam?”

No começo de novembro, o líder indígena Paulo Paulino Guajajara foi morto em uma emboscada de madeireiros na Terra Indígena Arariboia, no Maranhão. Ele era membro dos “guardiões da floresta”, um grupo de agentes florestais indígenas criado para proteger o território.

Na semana passada, a Polícia Civil de Santarém prendeu quatro brigadistas, sob a acusação de terem iniciado incêndios florestais. Após uma onda de críticas contra a fragilidade da investigação, todos foram soltos, e o delegado responsável pelo caso foi afastado pelo governador do Pará, Helder Barbalho (MDB).

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *