Autor da trilogia ‘Getúlio’ relembra história dos judeus que fundaram Recife e NY

Autor da trilogia ‘Getúlio’ relembra história dos judeus que fundaram Recife e NY

Para o autor, a situação dos judeus lusos tem ecos claros no presente


Em 1640, depois de enfrentar anos de controvérsias teológicas e falta de dinheiro em Amsterdã, o erudito judeu Menasseh ben Israel decidiu que era hora de mudar de ares. Mas, para isso, precisava de uma boa oferta de emprego, de preferência como rabino. Tentou obtê-la dedicando o segundo volume de sua obra magna, “O Conciliador”, a correligionários endinheirados numa terra tropical do outro lado do Atlântico.

“Aos nobilíssimos e magníficos srs. David Senior Coronel, Abraão de Mercado, Jacob Mocata, Isaac Castanho e demais senhores de nossa nação, habitantes no Recife de Pernambuco”, escreveu ele. “Tendo eu decidido partir para as distantes latitudes do Brasil, resolvi mandar-vos um sinal de minha erudição e engenho.”

Apesar dos elogios, Menasseh ben Israel não conseguiu o posto de rabino da recém-criada sinagoga do Recife –a honra coube a outro sábio de Amsterdã, Isaac Aboab da Fonseca. Mas a dedicatória ajuda a mostrar como, durante o breve período de dominação holandesa do Nordeste (1630-1654), as zonas açucareiras do Brasil ganharam ares de nova Terra Prometida para a comunidade judaica de língua portuguesa.

Essa diáspora, formada por refugiados e vítimas da Inquisição que, apesar de tudo, ainda relutavam em cortar de vez os laços com seu passado ibérico, é o tema de “Arrancados da Terra”, novo livro do escritor cearense Lira Neto, 57. Deixando de lado a história moderna do Brasil, que abordou em livros como as biografias de Getúlio Vargas e do padre Cícero, o autor mostra como a história de perseguição e resiliência dos judeus lusos se insere num mundo profundamente “globalizado” já no século 17.

“Ao mergulhar nos documentos, ficou muito evidente que, ao contrário do que pode parecer, esse era um mundo profundamente conectado, e os judeus e cristãos-novos [pessoas de origem judaica cujos ancestrais foram convertidos à força ao catolicismo] davam uma contribuição importante à formação desses vínculos globais”, disse o escritor à Folha.

Lira Neto aproveitou a estada em Portugal, onde atualmente faz seu doutorado na Universidade Nova de Lisboa, para dar forma à narrativa a partir dos personagens revelados pela documentação histórica original.

Trata-se, em parte, de um mergulho nas trevas. Registros da Inquisição portuguesa, armazenados na Torre do Tombo e hoje já digitalizados, são a fonte para os primeiros capítulos do livro: a prisão e as torturas sofridas por Gaspar Rodrigues Nunes, cristão-novo que ainda praticava parte dos rituais judaicos. Nunes escapou por um triz de ser queimado vivo e, ao fugir para a Holanda, adotou o nome de Joseph ben Israel, enquanto seu filho mais velho, Manuel, tornou-se Menasseh.

As agruras dos judeus portugueses tinham começado em 1496, quando o rei Dom Manuel I decretou a expulsão deles de seus domínios, numa lei que entraria em vigor no ano seguinte. Manuel promulgou a lei de expulsão para cumprir os termos de sua aliança matrimonial com a Espanha, que havia tomado a mesma medida anos antes –foi o preço que os “Reis Católicos” espanhóis, Fernando e Isabela, cobraram para dar ao lusitano a mão de sua filha.

Parte dos habitantes judaicos do reino conseguiu fugir, em geral para regiões do Mediterrâneo, como a Itália, a Turquia e o norte da África. Mas muitos, sem poder escapar, foram batizados em massa. A nova categoria dos cristãos-novos ou marranos, no entanto, permaneceu sob suspeita por séculos. Houve os que vieram para o Brasil, enquanto outros chegaram à Holanda, que travava uma guerra de independência contra a Espanha e passou a defender a liberdade de consciência em termos de religião, o que atraía a comunidade judaica.

A partir de 1580, o parentesco entre os monarcas lusitanos e espanhóis, e a morte de todos os herdeiros do trono do lado português, fez com que tanto Portugal quanto a Espanha virassem um único reino, a União Ibérica. Isso fez com que a Espanha abocanhasse as possessões lusas no Brasil, mas também as transformou em alvo dos inimigos dos espanhóis nos Países Baixos, muito interessados em arrancar um naco do comércio global do açúcar.

Ao dominar o Nordeste, os holandeses contaram com a colaboração dos judeus de língua portuguesa de Amsterdã, que podiam usar a semelhança de língua e cultura para negociar com os senhores de engenho brasileiros, alguns dos quais também eram cristãos-novos. Um número significativo de israelitas de família lusa –talvez 1.500, segundo as estimativas mais generosas– resolveu cruzar o oceano e se envolveu nas mais diversas atividades, da produção de açúcar e do comércio de escravos ao serviço militar.

Não era algo isento de riscos –quando a União Ibérica terminou, em 1640, os portugueses iniciaram esforços militares para retomar o Nordeste, e judeus capturados nos combates chegaram a ser remetidos, mais uma vez, para os calabouços da Inquisição em Lisboa. Curiosamente, porém, a identidade lusa dos judeus radicados em Amsterdã parecia continuar falando mais alto algumas vezes, fazendo com que ajudassem a mediar os conflitos entre Portugal e Holanda.

“É preciso lembrar que, na península Ibérica, eles viviam nas sombras, sem sinagoga, sem educação judaica, o que gerava traços muito específicos que os diferenciavam dos demais judeus”, explica Lira Neto. “Quando partiam para a Holanda, levavam consigo essa condição de homens divididos, clivados. Tiveram de se reconstituir como ‘judeus novos’, depois de serem cristãos-novos.”

Embora a documentação histórica seja um tanto vaga e contraditória no que diz respeito ao destino de parte desses judeus quando Portugal retomou o Nordeste, o mais provável é que 23 deles tenham desembarcado na América do Norte, em Nova Amsterdam (atual Nova York, então colônia holandesa), dando um início simbólico à comunidade judaica dos atuais EUA.

Uma lápide do século 17 ainda preservada num antigo cemitério de judeus de Nova York traz, com efeito, versos cuja métrica e rima lembram os romances de cordel nordestinos. Essa herança cultural não pode ser negligenciada, diz Lira Neto, ele próprio descendente de um cristão-novo chamado Gonçalo de Lira. “Nos sertões brasileiros temos crenças e tradições cujo sentido original se perdeu, mas que estão ligadas a essa herança.” Tais resquícios estariam, por exemplo, nos rituais fúnebres, como o sepultamento em mortalha (sem caixão), o hábito de colocar pedras sobre o túmulo ou de derramar água do pote de barro caso algum morador da casa tenha morrido.

Para o autor, a situação dos judeus lusos tem ecos claros no presente. “Muitas vezes ainda reproduzimos os mesmos códigos, a mesma linguagem do preconceito, do ódio e do desprezo. Não é uma história que se perdeu no tempo, não se trata de mero antiquarismo ou simples curiosidade.”​

ARRANCADOS DA TERRA
Preço: R$ 39,90 (ebook)
Autor: Lira Neto
Editora: Companhia das Letras
Págs.: 424

| IDNews® | Folhapress | Via NMBR |Brasil

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *