Brasília vai sediar campeonato de quadrilhas juninas

Brasília vai sediar campeonato de quadrilhas juninas

| IDNews | Agência Brasil | Brasília |Gilberto Costa

Influência nordestina cria tradição de São João na capital federal

IDN/Cultura

A capital do Brasil será a capital dos festejos de São João fora de época. Nos dias 2, 3 e 4 de agosto, Brasília vai sediar o Campeonato Brasileiro de Quadrilhas Juninas, também conhecido como Brasileirão de Quadrilhas. Vinte e dois estados, além do Distrito Federal, participarão da 7ª edição do torneio que ocorrerá em Samambaia, uma das regiões administrativas mais populosas do DF.

A expectativa é que até 10 mil pessoas assistam o campeonato. “Brasília é uma referência forte em festa junina. Tem um estilo bem próprio de dançar. É bem caipira, é bem interessante”, atesta Michael Helry da Silva, presidente da Confederação Nacional de Quadrilhas Juninas e Grupos Folclóricos, Conaqj. Segundo ele, a cidade construída por candangos vindos especialmente do Nordeste, “herdou o amor pelos festejos juninos”.

Até hoje, 59 anos após a inauguração, metade dos imigrantes (49,88%) de Brasília são oriundos de um dos estados do Nordeste, especialmente da Bahia (143 mil pessoas), Piauí (137 mil) e do Maranhão (136 mil), conforme os dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (2018), da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

Os dados populacionais não computam, porém, os filhos dos imigrantes que hoje passam a animar as quadrilhas juninas da capital, gente como o professor de educação física Patrese Ricardo da Silva Mendes, filho de cearense, que coordena as quadrilhas Formiga da Roça e Coisas da Roça, ambas da região administrativa de São Sebastião, a 24 km do Plano Piloto.

Falta de lazer

Patrese, hoje com 34 anos, dança quadrilha desde a adolescência. O interesse começou ao perceber que os festejos juninos eram uma das poucas atrações para rapazes e moças quando era jovem em São Sebastião. “Eu achava bacana, e além disso faltava lazer pra gente”.

Formiga da Roça e Coisas da Roça são duas das oito quadrilhas juninas do módulo especial que disputam até 21 de julho o Festival Gonzagão de quadrilhas juninas, que vai escolher os dois grupos da cidade que participarão do Brasileirão de Quadrilhas.

A produção das quadrilhas no DF mobiliza 5 mil brincantes anualmente em cerca de 50 quadrilhas, e criam ocupação e renda para cerca de 80 mil pessoas que se mobilizam por quase um ano, como acontece com as escolas de samba no Rio de Janeiro, com a organização das apresentações juninas.

Esse é o caso, por exemplo, do professor de dança e coreógrafo Leandro Mota, que desde o final de cada ano escolhe e estuda um tema para as apresentações da Formiga da Roça do ano seguinte.

“Adaptamos histórias para o movimento junino. Estamos crescendo e trazendo temáticas diferentes, não apenas de São João, e encaixando na linguagem de quadrilha junina”, conta Mota ao assinalar a necessidade de planejar antecipadamente as apresentações.

Os ensaios juninos em São Sebastião começam em janeiro, após o recrutamento de jovens nas escolas públicas de toda a cidade. Neste ano, a quadrilha traz 120 brincantes de oito regiões administrativas e até de uma cidade do entorno goiano (Luziânia). As apresentações em 2019 começaram na segunda quinzena de maio e vão até agosto. Só neste mês de junho, a quadrilha fará um total de 34 apresentações.

Edição: Liliane Farias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *