Cinema em Araraquara tem recurso para inclusão de pessoas com deficiência

Cinema em Araraquara tem recurso para inclusão de pessoas com deficiência

| IDNews| Théo Bratfisch|Assessoria de Imprensa | Câmara Municipal de Araraquara |

Na tarde da terça-feira (13), o vereador Elias Chediek (MDB) esteve no cinema do Shopping Jaraguá, para conhecer as adequações feitas no local para receber pessoas com deficiência, cegos e surdos.

IDN/Interior/Araraquara

O parlamentar e membros do Instituto Idioma Surdo, Vilma do Amaral Schiavinato e Théo Bratfisch, foram recebidos pelo gerente de operações da empresa, Renato Cação, e pela gerente do cinema, Karoline Oliveira Rocha.

LIBRAS, legenda e audiodescrição

O cinema passa a contar com nove aparelhos que possibilitam que cegos e surdos acompanhem os filmes. Esses aparelhos são smartphones, que exibem a intepretação em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS), legenda descritiva, para os surdos e audiodescrição, para os cegos, que relatam as cenas e as falas do filme.

Cação esclareceu que o próximo passo para as adaptações de acessibilidade será a instalação de piso tátil e a capacitação de funcionários, com curso de comunicação para atendimento ao público em Libras, considerando “que é importante as pessoas se sentirem incluídas, desde o momento do atendimento e durante a exibição do filme”.

Privados de autonomia

Vilma destacou que as pessoas com deficiência costumam ir acompanhadas por algum familiar ou amigo a todos os lugares, privados de autonomia pela falta de acessibilidade em geral, seja em estabelecimentos públicos ou privados.

Segundo Chediek, reconhecer o fato de que o local contar com tecnologia que possibilita a inclusão e acessibilidade para pessoas com deficiência e lugar especial para cadeirantes é um grande passo. “Por enquanto, não encontramos as adequações em todos os cinemas brasileiros, mas, no cinema do Shopping Jaraguá já foi dado um salto importante em relação à inclusão”.

Regulamentação

Durante a visita foi destacada a importância da Lei Brasileira de Inclusão (LBI), conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência, de 2015, prevendo em sua regulamentação a adequação de salas de cinemas até o fim desse ano e que as distribuidoras devem enviar os filmes com tradução em Libras, legendas e audiodescrição.

Desde o início de 2017, o Instituto Idioma Surdo tem promovido reuniões com o vereador Elias Chediek, representantes dos cinemas locais e a Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas (FENEEC).

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *