Cobra é encontrada dentro de clube na zona leste de São Paulo

Cobra é encontrada dentro de clube na zona leste de São Paulo

| IDNews® | São Paulo | Folhapress | Via Notícias ao Minuto |Brasil|

Cobra é encontrada dentro de clube na zona leste de São Paulo

ÏDN – BRASIL

Uma cobra foi encontrada nas dependências das piscinas do Clube Atlético Juventus, na Mooca (zona leste de São Paulo).

A notícia e a foto do animal foram compartilhados em grupos de WhatsApp formados por moradores e comerciantes do bairro e em outras redes sociais.

O Corpo de Bombeiros confirmou à reportagem que, no sábado (24), foi acionado para recolher a cobra, que depois foi solta no Parque Ecológico do Tietê.

O clube é rodeado por casas e apartamentos e não há área de mata. Do lado do estabelecimento funcionam a AMA (Assistência Médica Ambulatorial) e o Hospital Municipal Dr. Ignácio Proença de Gouvêa.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do clube para obter mais detalhes do incidente, mas não obteve resposta até a publicação deste texto. Também tentou contato pessoalmente. Um funcionário disse à reportagem apenas que o assunto gerou “uma correria no local”.

Uma faixa na porta do clube informa que o local está aberto apenas para caminhadas.

Claudio Machado, biólogo herpetólogo do Instituto Vital Brazil e dono do canal de YouTube Papo de Cobra, viu a imagem que circulou nas redes sociais e acha que é possível que o animal não pertença à nossa fauna.

Ele lembra que em São Paulo há muitas cobras. “O aparecimento de uma cobra não é para causar espanto. Há fragmentos de mata cada vez menor e elas acabam disputando o espaço conosco.”

De acordo com Machado, esses animais procuram esconderijo. “Costumo dizer que quatro coisas que começam com a letra A favorecem a presença das cobras: acesso, abrigo, alimento e água.” O biólogo diz que a criação de animais exóticos pode ser outro problema.

Sobre a cobra encontrada no Clube Atlético Juventus, o especialista disse que a destinação que o Corpo de Bombeiros deu ao animal sem saber a espécie ou obter qualquer informação o preocupa.

“O certo seria levar o animal para identificação, a não ser que ele fosse extremamente comum, como é o caso da jiboia”, diz.

A reportagem questionou a SSP (Secretaria de Segurança Pública) de São Paulo sobre se haverá investigação a respeito da origem cobra e sobre o fato de o Corpo de Bombeiros ter soltado o animal sem antes identificar a espécie, mas não obteve respostas.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *