Comer tomate espanta a depressão, revela uma nova pesquisa

Comer tomate espanta a depressão, revela uma nova pesquisa

| IDNews | LifeStyle | Via Notícias ao Minuto |Brasil|

Os dados mostraram que aqueles que consumiam tomate entre duas a seis vezes por semana apresentavam um risco 46% menor de apresentar sintomas da doença

IDN/Gastronomia & Saúde

Muito provavelmente você não imagina que o simples fato de consumir algumas porções de tomate durante a semana pode diminuir consideravelmente as chances de sofrer de depressão. Mas é exatamente isso que revela uma pesquisa que analisou a saúde mental e os hábitos alimentares de cerca de mil homens e mulheres acima dos 70 anos.Entre os dados apurados pelos pesquisadores, aqueles que consumiam tomate entre duas a seis vezes por semana apresentavam um risco 46% menor de apresentar sintomas de depressão do que aqueles que ingeriam o fruto menos de uma vez por semana.

De acordo com a notícia do jornal britânico The Daily Mail, outro dado importante detectado pelos cientistas é que outras frutas e vegetais não possuem o mesmo efeito.

Estudos anteriores já comprovaram que o tomate é rico em substâncias com ação antioxidante que protegem o organismo de doenças. O tomate também é uma excelente fonte de licopeno, o antioxidante responsável pela coloração vermelha do fruto e que tem sido relacionado à redução do risco de cancro da próstata e a problemas cardíacos.

A pesquisa inovadora foi realizada por investigadores da China e do Japão liderados pelo médico e professor Kaijun Niu, da Tianjin Medical University (China), que desejava investigar estudos anteriores que sugeriam que o licopeno teria uma certa influência psicológica pelo seu poder de diminuir a oxidação e os danos às células do cérebro.

Os resultados da pesquisa foram publicados no periódico científico Journal of Affective Disorders.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *