Deputados discutem sobre mostra de diversidade sexual em Porto Alegre

Deputados discutem sobre mostra de diversidade sexual em Porto Alegre
Tema foi levantado pelo deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), nesta terça-feira

13SET2017|  7:41 - DIVERSIDADE SEXUAL - Foto: Divulgação

Deputados bateram boca no plenário da Câmara nesta terça-feira (12) sobre a exposição de diversidade sexual promovida em Porto Alegre (RS). O evento foi alvo de críticas de que as obras estariam incentivando a pedofilia, a sexualização de crianças e zoofilia.

 De acordo com o G1, dois promotores do Ministério Público do estado se encaminharam até a sede da exposição, no Santander Cultural, e constataram que não havia pedofilia nas obras expostas.

Quem levantou o tema no plenário foi o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), dizendo que a mostra foi alvo de intolerância e que não havia apologia à pedofilia.

Logo, foi hostilizado por um grupo pró a suspensão da mostra. Entre eles, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) que chegou a segurar cartazes nas costas do deputado do PSOL, enquanto ele discursava. Em resposta, Wyllys arrancou uma das folhas de papel das mãos de Feliciano. Segundo a reportagem, um segurança precisou intervir e se posicionou entre os deputados.

Outros parlamentares também discursaram contra a exposição, alegando que a exposição atentava contra os bons costumes. O deputado Major Olímpio (SD-SP) foi um dos que vaiou o discurso de Wyllys e gritou que ele estaria mentindo.

Após retornar ao microfone, Jean Wyllys chamou os colegas parlamentares de “bando de ignorantes, bando de hipócritas”. O clima ficou mais pesado após uma analogia do deputado, que disse que o crucifixo com Jesus Cristo em uma cruz seria apologia à tortura.

Enquanto os parlamentares ligados à bancada evangélica pediam retratação, os deputados de esquerda acusavam os demais de propagar o “obscurantismo”.

Ainda nesta terça, manifestantes contra e a favor do cancelamento de exposição brigaram em frente ao Santander Cultural. Policiais Militares usaram gás lacrimogênio e bombas de efeito moral para dispersar a briga.

Dois manifestantes que protestavam contra o cancelamento da mostra acabaram presas por desacato e incitação à violência, mas foram liberados após assinar um termo circunstanciado.

 

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *