Estado Islâmico mantém mais de três mil yazidis sequestrados

Estado Islâmico mantém mais de três mil yazidis sequestrados
Os yazidis não são nem muçulmanos nem árabes e são perseguidos pelo Estado Islâmico de forma particularmente violenta

Extremistas islâmicos na Síria e no Iraque mantêm mais de três mil reféns de origem yazidi, disse hoje na Grécia uma ativista da minoria étnica iraquiana e antiga prisioneira do grupo Estado Islâmico.

“Neste momento, 3.400 pessoas estão detidas na Síria e no Iraque” disse Nadia Murad Basse Taha que se encontrou em Atenas com o chefe de Estado grego Prokopis Pavlopoulos. “Faço um apelo à Grécia e à União Europeia em nome de milhares de mulheres e crianças que continuam sequestradas”, disse Taha, 21 anos, membro de uma das minorias étnicas e religiosas iraquianas mais atingidas pela violência do grupo extremista Estado Islâmico.

Taha foi sequestrada por terroristas do Estado Islâmico em agosto de 2014 e mantida como refém durante três meses, tendo sido submetida a atos de escravatura sexual. Mais tarde, conseguiu fugir para a Alemanha, onde denunciou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, no último dia 16 de dezembro, que o Estado Islâmico utiliza as mulheres yazidi como “carne para traficar”.

Os yazidis não são nem muçulmanos nem árabes e são perseguidos pelo Estado Islâmico de forma particularmente violenta. O grupo minoritário, que se expressa em curdo, habita sobretudo as montanhas de Sinjar, no norte do Iraque.

Em 2014, as atrocidades cometidas pelos extremistas do grupo Estado Islâmico provocou a fuga de milhares de yazidis. As Nações Unidas já disseram que os atos cometidos contra a minoria yazidi podem vir a ser considerados como genocídio.

Notícias em Minuto

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *