Gilmar cita Dallagnol e diz que Lava Jato virou um partido político

| IDNews | Folhapress/Lisboa/Portugal|Via Notícias ao Minuto  |

“A Lava Jato nada mais é do que um grupo de trabalho”, disse Gilmar Mendes

IDN/Justiça

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) – Ao comentar a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público de abrir inquérito sobre a conduta do procurador Deltan Dallagnol, da Lava Jato, o ministro Gilmar Mendes (STF) afirmou que a operação se transformou em um partido político.

“A Lava Jato nada mais é do que um grupo de trabalho. Mas, por um vício, esses vícios comuns a nós, ela virou na verdade uma instituição, um partido político.”

O conselho do Ministério Público decidiu, na terça (23), apurar a conduta de Dellagnol. Em entrevista à rádio CBN, em agosto de 2018, o procurador disse que três ministros do STF -Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski- formavam uma “panelinha” que “manda uma mensagem muito forte de leniência a favor da corrupção”.

Para Gilmar, houve uma tentativa de reduzir o teor das declarações de Dallagnol sobre o Supremo.

“Acho que a mídia está até minimizando isso. O que ele disse é que a turma [do Supremo] passava uma mensagem favorável de leniência quanto à corrupção, esta foi a imputação dele. E, depois disso, que formava uma panelinha. Foi por isso que houve a representação”, disse.

O ministro do Supremo Tribunal Federal criticou também a tentativa de criação de uma fundação, em Curitiba, ligada à força-tarefa. A iniciativa acabou abortada após a repercussão negativa do projeto.

“Eles teriam 100 milhões de euros para brincar de agentes sociais”, avalia. “Era a brincadeira que Dallagnol teria para fazer política, talvez para fazer campanha e coisas do tipo”, completou.

Gilmar falou ainda sobre supostos abusos da Lava Jato, que teria criado uma espécie de constituição própria em Curitiba. “Acho que o poder envolve responsabilidade para todos. Foi o que disse ontem: estado de direito não convive com soberanos. Na medida que alguém descola e passa a operar sem ter que prestar contas a ninguém vira soberano. Passou a existir o que brinquei: a constituição de Curitiba.”

Para o ministro, o Brasil vive um momento de pequenas mudanças positivas contra os abusos judiciais. “Essas coisas precisam ser delimitadas e devagar as coisas estão sendo colocadas nos trilhos, mas houve muitos abusos nos últimos anos em nome do combate à corrupção.”

O ministro conversou com a imprensa nesta quarta (24), último dia do 7º Fórum de Direito de Lisboa, organizado pelo IDP em parceria com a Fundação Getúlio Vargas.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *