Governo aposta em 5 estratégias para barrar impeachment

Governo aposta em 5 estratégias para barrar impeachment, ainda que o PT tendo 58 deputados federais e 11 senadores e sendo a segunda maior força política do Congresso Nacional, ainda sim não tem condições de impedir o avanço da proposta na Câmara

O governo possui estratégias para impedir o avanço do processo de impeachment que tramita contra a presidente Dilma Rousseff (PT) na Câmara dos Deputados.

Mesmo com o desembarque do PMDB da base governista, deputados petistas ainda acreditam que é possível barrar o impeachment, segundo o UOL.

Ainda que o PT tendo 58 deputados federais e 11 senadores e sendo a segunda maior força política do Congresso Nacional, ainda sim não tem condições de impedir o avanço da proposta na Câmara. A saída do PMDB, anunciada na última terça-feira (29), acentuou a ação dos parlamentares na execução de cinco táticas que o governo tenta pôr em prática para impedir o afastamento de Dilma.

1 – Conversa

Sob a acusação de ter passado os último cinco anos sem manter conversa com partidos aliados, o governo agora investe no diálogo. O ex-presidente Lula seria o indicado para liderar este processo. Além dele, Leonardo Picciani (RJ) é visto como última esperança na angariação de votos do PMDB. Líderes e deputados indecisos de partidos de menor expressão na Câmara também estão sendo procurados.

2 – Cargos

Mesmo não admitindo, os líderes petistas afirmam que o espaço da debandada do PMDB poderá liberar quadros do governo. Isto é visto como uma oportunidade para atrair novos “parceiros”.

3 – Mudança de discurso

A estratégia, neste momento, é apontar que, ao invés de trazer a desejada estabilidade política, o impeachment pode resultar em ainda mais problemas para quem governar.

4 – Matemática do impeachment

Há duas formas de calcular a matemática do impedimento. Uma é de que o governo necessita 172 votos para barrar o impeachment na Câmara. Mas sob outra ótica, a oposição precisa de 342 votos favoráveis à instauração do processo. Portanto, é na necessidade de a oposição de arrecadar dois terços dos votos da Câmara que o governo aposta.

5 – Opinião Pública

A quinta estratégia do governo Dilma é buscar alterar a percepção do público em relação ao impeachment. O discurso agora é que a presidente não está sendo acusada de corrupção, e sim pelas “pedaladas fiscais”. “Impeachment sem crime é golpe”, afirmou o deputado Paulo Teixeira. Tal tática deve mobilizar movimentos sociais em manifestações de apoio a Dilma, de acordo com o petista Wadih Damous.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *