Grupo Geração do Quilombo promove 2º Vem Jogar Mais Eu

Grupo Geração do Quilombo promove 2º Vem Jogar Mais Eu
Atividades de capoeira começam com roda livre na praça Santa Cruz, nesta sexta-feira, às 19 horas

16DEZ2016| 15:04
Fernanda Miranda

A Associação de Capoeira Geração do Quilombo promove o evento 2º Vem Jogar Mais Eu, nesta sexta-feira e sábado. As atividades envolvem palestras e vivências com mestres renomados e batizado com troca de graduação de cerca de 50 crianças, jovens e adultos.

A programação do 2º Vem Jogar Mais eu começa com roda aberta de capoeira na Praça Santa Cruz, nesta sexta-feira, a partir das 19 horas, sob o comando de mestre Nildão, presidente fundador do grupo, e contramestre Vadão, coordenador das atividades. A roda é aberta aos praticantes de capoeira que quiserem participar da atividade.

No sábado, a programação começa com as palestras “A Institucionalização da Capoeira”, com o mestre Cláudio, do grupo Ponto de “Cultura Arte Brasil, de Barretos, e “A raiz indígena da capoeira”, com o professor Pelicano, do grupo Muzenza, de Santa Gertrudes, das 9 às 12 horas, na Associação Amigos do Bairro do Selmi Dei (Rua Maria do Carmo Granato, 75, Selmi Dei Setor 5).

Na parte da tarde, os praticantes de capoeira participarão de vivências e práticas com o contramestre Alpino, do grupo Ginga Brasil, de São José do Rio Pardo, das 14 às 15 horas, e com o mestre Zezinho, do grupo Sol da Liberdade, de Araraquara, programada para as 15 horas.

A partir das 17 horas, o grupo Geração do Quilombo promove sua principal atividade – batizado e troca de cordas de mais de 50 alunos e graduados, dentre eles 35 crianças dos projetos sociais que o grupo realizada em diferentes espaços da cidade. Mestres, contramestres e professores do grupo promovem aulas gratuitas para crianças e adolescentes na Associação Ary Bombarda, na Vila Xavier, na Associação de Amigos do Bairro Selmi Dei e no quiosque do Parque São Paulo. As aulas gratuitas para crianças e jovens da periferia fazem parte da proposta social do grupo que vai além da formação cultural ou desportiva, e se propõe à formação de cidadania e a dar possibilidades a garotos e garotas que vivem em regiões de vulnerabilidade social. “É um trabalho que faço há muitos anos. Não podemos deixar nossos meninos e meninas nas ruas, disponíveis para as drogas, o tráfico e o crime em geral. A capoeira já salvou muitas vidas”, diz o mestre Nildão.

O evento ainda contará com a presença do mestre Jaguara, da Associação Cultural Capoeira Kwanza, de Cotia.

 

 

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *