Lava Jato complica defesa de executivo da Odebrecht

Lava Jato complica defesa de executivo da Odebrecht

Polícia Federal encontrou documentos que indicam pagamentos de propinas por meio de empresas em paraísos fiscais

A 23ª fase da Operação Lava Jato que foi declarada nesta segunda-feira (22) trouxe complicações adicionais às defesas de Marcelo Odebrecht e de executivos do conglomerado, presos desde o ano passado.

De acordo com a Folha de S. Paulo, estão no centro da acusação contra eles os documentos bancários enviados pela Suíça que indicam a existência de uma rede de pagamentos de propinas por meio de empresas em paraísos fiscais.

Segundo a publicação, as empresas Klienfeld e a Constructora Del Sur agiam como escala para o dinheiro que abasteceu contas secretas de grandes dirigentes da Petrobras na Suíça e também em Mônaco.

A Polícia Federal encontrou uma planilha que mostrava a relação entre o pagamento da Klienfeld a João Santana e também comprovantes de transferências desta offshore e da Del Suru. Os documentos foram encontrados em uma conta de e-mail usada por Fernando Migliaccio, outro executivo da empresa, adianta a Folha.

Ainda de acordo com a publicação, a PF informou que estes documentos bancários foram escaneados em um escritório da Odebrecht e foram enviados por e-mail corporativo do grupo antes de chegar ao e-mail de Migliaccio.

A reportagem tentou contato com a Odebrecht mas a empreiteira não quis se pronunciar, alegando que não tinha conhecimento sobre os termos dos inquéritos que deram origem a operação.
Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *