Macri afirma que não vai aderir a uma campanha de respaldo a Dilma

Macri afirma que não vai aderir a uma campanha de respaldo a Dilma, a Obama e a quem nos perguntar, vamos dizer a mesma coisa, que é coerente com a postura que sempre tivemos: a necessidade de respeitar as instituições”, assegurou outra fonte

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, afirmou não querer aderir a uma campanha latino-americana de respaldo ao governo de Dilma Rousseff.

Segundo informações do O Globo, fontes do governo argentino informaram que Macri dará, nesta quarta-feira (23), durante visita do presidente Estados Unidos Barack Obama ao país, uma declaração manifestando apoio “ao respeito às instituições e às normas constitucionais”.

“Não estamos na mesma linha que presidentes como Evo Morales (Bolívia), Rafael Correa (Equador) e Nicolás Maduro (Venezuela). Nosso apoio é ao governo brasileiro e a suas instituições”, enfatizou uma das fontes consultadas pelo GLOBO.

A posição de Macri demonstra claras diferenças com os outros chefes de Estado da América Latina. Enquanto Evo Morales pede uma reunião de emergência da União de Nações Sul-americanas (Unasul) “para defender a democracia no Brasil, a paz, a presidente Dilma, o companheiro Lula e os trabalhadores”, o chefe de Estado argentino limita-se a expressar sua preocupação e desejo de que “o Brasil saia desta situação da melhor maneira possível”.

“A Obama e a quem nos perguntar, vamos dizer a mesma coisa, que é coerente com a postura que sempre tivemos: a necessidade de respeitar as instituições”, assegurou outra fonte.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *