Paulo Preto e mais 32 denunciados por cartel em obra do Rodoanel 

Paulo Preto e mais 32 denunciados por cartel em obra do Rodoanel
   Nova denúncia teve como base o acordo de leniência da Odebrecht com o Cade. Oito executivos da construtora delataram o caso em 2017

8:17 |FOLHAPRESS/NOTÍCIAS MINUTO |2018AGO04| 

Aforça-tarefa da Lava Jato em São Paulo denunciou pela segunda vez nesta sexta-feira (3) o ex-diretor da Dersa (estatal rodoviária paulista) Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, suspeito de ser operador do PSDB.

Desta vez, Souza é acusado de fraudes a licitações e cartel em obras do trecho sul do Rodoanel e do Sistema Viário Integrado. Outras 32 pessoas foram denunciadas pela Procuradoria.

A nova denúncia teve como base o acordo de leniência da Odebrecht com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Oito executivos da construtora delataram o caso em 2017.

Também foram usados como prova acordo da construtora Carioca homologado pela Justiça Federal de São Paulo e depoimento de dois executivos da Queiroz Galvão.

Foram denunciados, também, o atual Secretário de Aviação Civil do Ministério dos Transportes, Dario Rais Lopes, que foi presidente da Dersa e secretário estadual de transportes; o diretor-geral da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), Mario Rodrigues Júnior, que foi diretor de engenharia na Dersa entre 2003 e 2007; e Marcelo Cardinale Branco, que ocupou a presidência da Emurb (Empresa Municipal de Urbanização de São Paulo ) e foi secretário municipal de Infraestrutura e Obras entre 2006 e 2010.

Paulo Preto já é réu sob acusação de ter desviado R$ 7,7 milhões entre 2009 e 2011 das obras do Rodoanel Sul, construído durante os governos dos tucanos José Serra, Alberto Goldman e Geraldo Alckmin.

Segundo a Procuradoria, nesse caso ele havia cometido crimes de peculato, formação de quadrilha e inserção de dados falsos em sistema público de informação.

O desvio teria ocorrido no programa de reassentamento das famílias que tiveram suas casas afetadas pela obra.

A defesa do ex-diretor tem negado que ele tenha cometido qualquer irregularidade. Ele chegou a ser preso duas vezes nos últimos meses, mas foi solto por habeas corpus concedidos pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes. Com informações da Folhapress.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *