Servidores da FURP são demitidos ‘de forma arbitrária’, diz advogada

Servidores da FURP são demitidos ‘de forma arbitrária’, diz advogada
Fato ocorreu durante reunião acompanhada pelo vereador Paulo Landim

 07JUL2017|  8h31 – IMPRENSA CAM

A perplexidade tomou conta de 28 funcionários da Fundação para o Remédio Popular (FURP), que foram notificados, nesta quinta-feira (06), na sala da Congregação da Faculdade de Farmácia da UNESP, de suas demissões sem justa causa. A cena foi acompanhada pelo vereador Paulo Landim (PT) que discutia com os funcionários uma alternativa para a situação trabalhista e como o Poder Público municipal poderia se mobilizar para garantir a manutenção de seus empregos.

No meio da reunião, uma surpresa. Um representante da FURP, que acompanhava a reunião, levantou e passou a entregar um ofício a cada funcionário, comunicando que o ciclo dessas pessoas chegara ao fim na empresa, que alega dificuldades para equilibrar receitas e despesas. A fundação estadual optou por demitir, sem justa causa, os funcionários que tinham vínculo empregatício, após firmar parceria pública-privada (PPP) para tocar as atividades na fábrica instalada em Américo Brasiliense (SP).

Acordo judicial descumprido

O problema é que, de acordo com advogada Dayane Montalvão Inácio, que acompanhou a comissão de trabalhadores na reunião, a decisão descumpre o que foi acordado judicialmente, ou seja, que todos os funcionários deveriam ser transferidos para outros órgãos do Poder Público estadual.

Segundo Dayane, pelo acordado desde 2013, a FURP manteria salários e condições de trabalho, não podendo demitir os funcionários. “A FURP descumpre o que foi acordado por via judicial de forma arbitrária, pois não apresentou sequer requisitos legais para a demissão dos trabalhadores”, resumiu.

De acordo com Pedro Jesus Sampaio, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Álcool, Químicas e Farmacêuticas de Ribeirão Preto (Sindalquim), a demissão na empresa mostra, na prática, que a prioridade do Estado é substituir o público pelo privado. “Na prática, isso é a transferência do que é público para o privado, pois substitui trabalhadores com direitos, que eles consideram privilégios, por um terceirizado da PPP”, afirmou.

Paulo Landim busca apoio

Para o vereador Paulo Landim, essa é uma situação inaceitável e que deve ser questionada, não só do ponto de vista político, mas também judicial. “O Estado passa dos limites ao demitir essas famílias araraquarenses sem uma explicação, o que não podemos permitir, nem deixá-los desamparados. Temos o dever de nos solidarizar e estar lado a lado na luta pelo que é justo”, defendeu.

Após a notificação recebida pelos trabalhadores, os mesmos devem buscar uma suspensão da decisão da empresa, por via judicial, enquanto o vereador Paulo Landim articula apoio com diferentes lideranças políticas municipais e estaduais.

Fotos disponíveis no site: https://flic.kr/s/aHskZJ82aC

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *