Suíça referenda domingo expulsão automática de estrangeiros criminosos

Suíça referenda domingo expulsão automática de estrangeiros criminosos

Os suíços pronunciam-se em referendo, no domingo, sobre a iniciativa lançada pelo partido populista (SVP, na sigla em alemão) para uma expulsão automática de criminosos estrangeiros.

Os suíços são chamados novamente às urnas seis anos após a adoção de um texto semelhante. A nova iniciativa pretende endurecer e automatizar o processo de expulsão de estrangeiros que cometem delitos e infrações no território suíço.

Questionado pela Agência Lusa, o vice-presidente do Movimento Cidadão de Genebra (MCG), Carlos Medeiros, disse que o seu partido apoia a iniciativa.

“Nos Estados Unidos, no Canadá ou na Austrália, já se aplicam este tipo de medidas”, salientou o político luso-suíço, mas reconhecendo que “esta iniciativa é mais incisiva que a anterior”. Carlos Medeiros manifestou, no entanto, dúvidas quanto à expulsão de estrangeiros de segunda ou terceira geração, chamados de “secundos” na Suíça.

“Não concordamos com a expulsão de pessoas que nasceram aqui e que não têm mais família no país de origem”, referiu o também presidente do Conselho Municipal da cidade de Genebra.

Para a Marília Mendes, responsável dos associados portugueses do sindicato suíço UNIA, uma das maiores centrais sindicais da Suíça, esta iniciativa, se for aprovada, leva a um fator de insegurança na aplicação. O novo texto indica simplesmente a expulsão automática por ordem dos Tribunais Cantonais sem mencionar a possibilidade de recurso ao Tribunal Federal. “Esta iniciativa coloca em causa o funcionamento da justiça”, disse.

A sindicalista manifestou ainda preocupação com o fato de os abusos sociais (crimes com penas mais leves) estarem na mesma categoria de crimes como assassinato ou estupro, os quais levam a uma expulsão automática de acordo com a nova iniciativa. “Há uma equiparação de delitos duvidosa”, considerou.

Marília Mendes deu como exemplo que, caso a iniciativa seja aprovada, “uma pessoa no fundo desemprego que faz algumas horas de trabalho, mas não as declara, é expulsa imediatamente”, o mesmo acontecendo a alguém que faça “uma declaração de segurança social errada”.

Além disso, o novo texto não faz nenhuma diferença entre os estrangeiros estabelecidos na Suíça. Se a pessoa que cometeu o delito vive na Suíça à 5, 10 anos ou mais, corre o risco de ser expulso de forma efetiva, segundo Marília Mendes.

O Conselho Federal de Suíça e o Parlamento recomendaram aos eleitores que votem contra a iniciativa.

A Suíça é o único país que referenda questões políticas e sociais regularmente, chamando os cidadãos a votar quatro vezes por ano.

As questões a referendar podem ser propostas por qualquer grupo cívico, composto por um mínimo de sete pessoas, ou partido, precisando para isso de recolher pelo menos 100 mil assinaturas.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *