Uso excessivo de plásticos é tema da Tribuna Popular

Uso excessivo de plásticos é tema da Tribuna Popular

| IDNews| Assessoria de Imprensa | Câmara Municipal de Araraquara |

Cerca de 4,8 a 12,7 milhões de toneladas de plástico são descartados por ano nos oceanos. “O que é muito preocupante, uma vez que esse plástico não vai se degradar no ambiente marinho em condições normais”, alertou Celso Delle Piage Neto, credenciado por um grupo de 30 cidadãos eleitores no município, durante a Tribuna Popular da 107ª Sessão Ordinária, na noite desta terça-feira (7), abordando o tema “Plástico e seu papel na sociedade”.

“Sou estudante da Unesp e vim aqui falar de um problema que eu e um grupo de amigos começamos a estudar na faculdade, uns dois anos atrás, e isso realmente mexeu com a gente, quando descobrimos a proporção desse problema e a falta de interesse, principalmente do governo, de resolver a questão de uma maneira efetiva. E esse problema é a poluição causada pelo plástico”, afirmou.

O orador também trouxe o dado de que o Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico do mundo, e um dos que menos reciclam também. “Cerca de 2,4 milhões de lixo plástico são descartados de forma irregular, e apenas 1,28% do lixo produzido é reciclado. A maior parte fica exposta em lixões a céu aberto ou vai parar nos rios e, consequentemente, no oceano”, explicou, destacando que todo o plástico que vai parar nos oceanos é arrastado pelas correntes marítimas e acaba convergindo para algumas áreas dos oceanos, ficando parado em ilhas de plástico. “O problema é que esse plástico não vai sair de lá e ainda vai afetar toda a fauna e flora presentes naquele local”, completou.

Canudos

“Além do plástico que a gente vê boiando nos oceanos, tem um agravante maior. Já se sabe que estamos ingerindo plástico em praticamente tudo que a gente consome. Já foi encontrado plástico na água de torneira, no sal de cozinha, além de pastas de dente que possuem microesferas de plástico. O microplástico é um problema real, porque, além dele ser invisível a olho nu, ele ainda carrega metais pesados que podem causar câncer e diversas outras doenças.”

Falando dos canudos em específico, Delle Piage mostrou que existem cerca de 8,3 bilhões de canudos no oceano. “E isso é muito triste. Os canudos levam cerca de um minuto para serem produzidos e 100 anos para sumirem do ambiente. Diversas cidades do Brasil já estão votando projetos de lei para proibir o uso de canudos, como o que será votado aqui hoje”, disse, enfatizando a importância da aprovação do substitutivo que altera a Lei Complementar nº 18, de 22 de dezembro de 1997 (Código de Posturas), de modo a proibir a utilização de canudos de plásticos, exceto os biodegradáveis, em estabelecimentos específicos.

“Menos é mais. Quanto menos plástico a gente consumir, consequentemente menos será produzido e descartado de maneira incorreta. A lei dos canudos é apenas um passo muito pequeno para tentar contornar esse problema. O ideal seria não usar nenhum tipo de canudo, porque mesmo o oxibiodegradável ainda permanece pelo menos dois anos no ambiente. É só a gente utilizar um copo de vidro! As coisas são tão simples, basta fazer um esforço, mas o apoio do governo facilita também”, entende.

Ele exibiu, ainda, um vídeo de uma tartaruga afetada pelo plástico e questionou: “É muito prejuízo no bolso dos comerciantes tentar se adequar à nova lei? Será que isso realmente importa, esse um centavo a mais que eles vão ter que pagar? Será que a gente já chegou em um nível de ser tão mesquinho que a gente não consegue sair um pouco da nossa bolha e ver que as nossas ações podem ter consequências muito ruins? Então é impossível que alguém que veja esse vídeo não sinta um mínimo de peso na consciência. Eu tenho peso na consciência, eu vejo esse vídeo e me dá vontade de chorar”, finalizou.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *