Na China, Serra evita confronto com Uruguai sobre impeachment

Na China, Serra evita confronto com Uruguai sobre impeachment
Ministro acompanha o presidente Temer, em viagem à China para participação na cúpula do G-20

9.19| 02/09/2016
José Serra

O chanceler brasileiro, José Serra, evitou entrar em confronto com o governo uruguaio, que classificou como uma “profunda injustiça” a destituição da ex-presidente Dilma Rousseff.

“Nós temos um encontro do presidente do Uruguai com o presidente Michel Temer em Nova York, na Assembleia da ONU. Foi sugerido pelo governo uruguaio. Então, vamos ter oportunidade de conversar, esclarecer. O Uruguai é um país que tem uma tradição democrática importante. E temos todo o gosto de analisar as questões com eles num nível elevado e de mútuo entendimento”, disse Serra pouco após chegar a Xangai, nesta sexta (2).

Serra acompanha o presidente Temer, em viagem à China para participação na cúpula do G-20, em Hangzhou, entre domingo (4) e segunda-feira (5).

Nesta quinta (1º), o Ministério das Relações Exteriores do Uruguai publicou uma nota sobre a finalização do processo do impeachment no Brasil. Nela, elogia o papel de Dilma, “eleita legitimamente pelo povo brasileiro”, no fortalecimento das relações bilaterais e termina dizendo que “apesar dos argumentos de legalidade, o governo uruguaio considera uma profunda injustiça a destituição”.

Se poupou críticas ao Uruguai, Serra não fez o mesmo com outros países vizinhos.”Tenho certeza que as nossas relações com o Uruguai irão da melhor forma, já não tenho [certeza] com relação à Venezuela ou mesmo devido às posições adotadas pelo Equador e Bolívia, que representam um tiro no pé deles mesmos, e espero que eles tenham maturidade para, inclusive, aprender com a experiência democrática brasileira”, disse o chanceler brasileiro.

Após a votação do impeachment, na quarta (31), Venezuela e Equador anunciaram, em protesto, a retirada de seus embaixadores no Brasil, e a Bolívia convocou seu diplomata para consulta.

Questionado sobre se a retirada dos embaixadores poderia impactar na já problemática Presidência do Mercosul, Serra disse que de forma alguma. “A Bolívia não é do Mercosul. O Mercosul é Paraguai, Brasil, Uruguai e a Argentina. E a Venezuela, que é um faz de conta, só isso.”

O ministro afirmou que não tem a intenção, em suas conversas com a comunidade internacional, de buscar acordos bilaterais em detrimento do Mercosul. “Vamos tomar iniciativas que procurem também carregar o Mercosul, como queremos que os parceiros do Mercosul também façam.”

Na viagem com o presidente, Serra está diretamente acompanhado de seu chefe de gabinete e outros quatro assessores próximos -não incluídos os demais diplomatas brasileiros que compõem a viagem presidencial. Com informações da Folhapress.

NotíciasaoMinuto

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *