Araraquara participa do dia internacional dos museus em 18 de maio

Araraquara participa do dia internacional dos museus em 18 de maio

| IDNews |Théo Bratfisch

Dinossauros, tema da ação noturna será a arqueologia e a paleontologia natural projetada no Museu Voluntários da Pátria

IDN/Interior/Araraquara

Em Araraquara, ao Dia Internacional dos Museus em 2019, o projeto ‘Fachadas do Tempo e Acervos Históricos’ em rede para museus, arquivos e bibliotecas no interior de São Paulo, visa destacar instituições na projeção do passado e acontece na área externa do Museu Histórico e Pedagógico Voluntários da Pátria, na Praça Pedro de Toledo, por iniciativa da Associação de Bueno de Andrada para Cultura e Turismo Rural – ABATur, em parceria com a Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto – FFCLRP, com apoio de Secretarias Municipais e da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Araraquara – ACIA.

Dinossauros será o tema da ação noturna com a projeção intermitente de vídeo editado para o evento com três minutos de duração será a arqueologia e a paleontologia natural do município. O áudio durante a projeção vai sugerir a vocalização dos animais pré-históricos e na frente do museu será espalhada areia fina para a marcação de pegadas humanas dos transeuntes que serão fotografadas e identificadas para exposição posterior no Museu de Arqueologia e Paleontologia de Araraquara – MAPA.

Comemorado anualmente em 18 de Maio, o Dia Internacional dos Museus foi criado em 1977, através da iniciativa do ICOM – Conselho Internacional de Museus, um organismo que integra a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). O objetivo desta data é incentivar a população ao hábito de visitar e apreciar os museus, seja de arte moderna, clássica ou contemporânea, dentre outras.

Dinossauros

A região de Araraquara pertenceu a um imenso deserto de areia, um dos maiores que já existiram na Terra. Neste antigo ambiente, há mais de 135 milhões de anos, aaminharam desde pequenos mamíferos e invertebrados, até dinossauros de pequeno e médio porte. Dinossauros carnívoros do grupo dos Celurossauros, que evoluíram para as aves e dinossauros herbívoros do grupo dos Ornitópodes. Suas pegadas ficaram impressas nas areias do tempo, onde a umidade e o calor do vulcanismo que aconteceu na 
região ajudaram a cimentar a areia transformando na rocha chamada arenito. Hoje em dia esse arenito é utilizado para calçamento das vias públicas e casualmente podemos encontrar muitas pegadas de dinossauros pelo chão.

Ações para preservação do patrimônio cultural e leis municipais

Com a finalidade de preservação do patrimônio cultural, a porta de ferro centenária da entrada do Museu Voluntários da Pátria, será restaurada com serviço de serralheria sobre ferrugem, dentre outros reparos no equipamento público, por iniciativa da ABATur com apoio da ACIA Araraquara.

A Lei Municipal n° 9.503/2019 prevê procedimentos para cuidados com calçadas no passeio público revestidas com lajes de arenito da ‘Formação Botucatu’, com regras para remoção, reforma, remodelação, readequação, descarte, pintura e outras obras, já que essas lajes são facilmente encontradas pelas ruas do centro e bairros mais antigos de Araraquara, retiradas de pedreiras na região do Ouro, em especial da Pedreira São Bento.

Com objetivo de incentivar a ocupação dos museus, por meio da Lei Municipal n° 9.399/2018, passa ser incluída no Calendário Oficial de Eventos do Município de Araraquara, a Semana dos Museus, a ser comemorada anualmente na terceira semana do mês de maio.

Como atividade correlata, deverá instalada a placa comemorativa ao monumento denominado por iniciativa popular em Lei Municipal n° 8.994/2017, como Fonte Lafayette Müller Leal, em homenagem ao prefeito municipal que tomou posse em agosto de 1933 até maio de 1934, quando em seu breve governo a fonte foi construída, posteriormente, reinstalada em frente ao então prédio da prefeitura (Museu Voluntários da Pátria) e que possui a inscrição de sua datação, ‘P.M. 31-1-1-934’.

Cidades participantes

As três cidades participantes simultaneamente do projeto em rede intercidades são, Araraquara na Praça Pedro de Toledo, Centro, em Ribeirão Preto no Lar Santana, na Rua Conselheiro Dantas, 984, Vila Tibério, e em Sertãozinho no Centro Municipal de Memória, na Rua Sebastião Sampaio, 1489, Centro.

Sobre o projeto científico

O projeto ‘Fachadas do Tempo e Acervos Históricos para Museu-Arquivo-Biblioteca no interior de São Paulo: Instituições na Projeção do Passado’, envolve as instituições, museu, biblioteca, arquivo e a comunidade do ponto de vista da colaboração, interatividade e conectividade, ou simplesmente da apresentação de ideias compartilhadas. Os objetivos principais desse projeto é focar a importância do museu histórico através de exposições com dinâmica participativa, expondo a importância dos acervos históricos como patrimônio. Divulgando assim o museu, arquivo e biblioteca. O Projeto deve desdobrar-se em um evento intitulado Fachadas do Tempo e Acervos Históricos associando os elementos frontais dos edifícios dos museus, do arquivo ou da biblioteca e a função de guarda das coleções e objetos históricos, a função do livro e da leitura e do documento histórico na qualidade probatória e cultural.

O produto da ação em formato de projeções de imagens nos ambientes públicos, relacionadas às descrições padronizadas, segundo normas descritivas do projeto científico com o objetivo de propagandear a urgência da necessidade da captação de recursos financeiros para promover, revigorar e restaurar os museus, arquivos e bibliotecas do interior do Estado de São Paulo, além de interagir com a comunidade.

Professores da área das Ciências da Informação e da Documentação da Universidade de São Paulo – USP Ribeirão Preto, procuram desenvolver um planejamento para a mediação e recepção da informação, compreendendo o fenômeno – informação – em duas dimensões diferentes da materialidade e da imaterialidade, buscando-se aproximar as reflexões acerca da teoria e a identidade científica com os instrumentais das linguagens de recuperação informacional elaboradas sistematicamente. O projeto tem coordenação pela Profa. Dra. Silvia Maria do Espírito Santo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo – FFCLRP – Ciências da Informação e Documentação, e participação do Prof. Dr. Luciano Bachmann – FFCLRP – Física.

Na sociedade moderna as demandas da preservação, no sentido amplo, estão relacionadas à problemática da gestão e do planejamento governamental, da universidade e das instituições públicas. A Ciência da Informação, após a revolução digital passou a indagar-se com a identidade que se preocupa com a sociedade e como Ciência Social Aplicada. Assim é relativamente consensual, entre os pares, que a área se atenha mais pelo problema da informação, do que lhe é imposto na complexidade da sociedade contemporânea.

Os princípios teóricos orientadores do projeto estão esboçados a partir das impressões deixadas pelas imagens provocativas do trabalho da artista Regina Silveira, realizadas nas décadas de 1960-1970, denunciando o crescimento de São Paulo, a – acumulação – que denota a invasão de elementos como, sucatas de ferragens, carros quebrados, entre outros, poluidores da paisagem histórica. As imagens também denunciaram o acúmulo do lixo, ou cemitérios de carros nos arredores dos monumentos públicos de São Paulo, inclusive no Museu Paulista da USP e no seu entorno. Assim a artista plástica dignificou a função da preservação monumental e museológica ao denunciar a falta de planejamento urbano, o descaso, o abandono, a necessidade de ler os museus e os monumentos públicos como patrimônio, instituições que proporcionam o bem-estar coletivo, embora ameaçados.

Créditos

Projeto ‘Fachadas do Tempo e Acervos Históricos para Museu-Arquivo-Biblioteca no interior de São Paulo: instituições na Projeção do Passado’.

Produção: Théo Bratfisch.

Parcerias e apoios: Associação de Bueno de Andrada para Cultura e Turismo Rural – ABATur; Associação Comercial, Industrial e de Serviços – ACIA; Gerência Municipal de Museus; Secretaria Municipal de Cultura; Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos; Guarda Municipal de Araraquara. Colaboração: Prof. Dr. Marcelo Adorna Fernandes – Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

Coordenação: Profa. Dra. Silvia Maria do Espírito Santo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo – FFCLRP – Ciências da Informação e da Documentação.

Apoio: Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Estudantes de Graduação – PUB.

Alunos BCI: Romário Pereira (bolsista) e Adriana Gastaldi (voluntária).

Coordenador Ribeirão Preto: Fernando Braga; Jornal da Vila Ribeirão Preto.

Coordenador Sertãozinho: Leandro Aprille.

Participação: Prof. Dr. Luciano Bachmann – FFCLRP – Física.

Serviço local

Evento: Dia Internacional dos Museus: ‘Fachadas do Tempo e Acervos Históricos’

Data: 18 de Maio de 2019

Horário: 19 às 22 horas

Local: Museu Voluntários da Pátria, Praça Pedro de Toledo, Centro

Evento Gratuito

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *