Delator diz que Cunha agia para favorecer Odebrecht em financiamentos

Delator diz que Cunha agia para favorecer Odebrecht em financiamentos    
Fábio Cleto afirmou que Cunha recebeu R$ 42 milhões de propina da obra do chamado Porto Maravilha, intervenção de reurbanização do Rio
7:41| 11/07/2016
Lava Jato

Em delação aos investigadores da Lava Jato,  o ex-vice-presidente da Caixa, Fábio Cleto, afirmou que o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) era bastante próximo da empreiteira Odebrecht. O deputado pedia apoio a quase todas as operações de interesse da empresa.

Segundo a Folha de S. Paulo, Cleto ocupou o cargo na Caixa por influência do grupo do deputado. Na delação, ele afirmou que Cunha recebeu R$ 42 milhões de propina da obra do Porto Maravilha, intervenção de reurbanização do Rio, tocada pelo consórcio formado por Carioca Engenharia, Odebrecht e OAS.

Cleto confirmou que a a delação dos donos da Carioca Engenharia, apontava que o total da vantagem indevida no empreendimento foi de R$ 52 milhões, paga em 36 parcelas. O FI-FGTS aplicou R$ 3,5 bilhões nas obras do projeto, usando recursos do fundo de garantia dos trabalhadores.

O delator contou, ainda, que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, chegou a cobrar rapidez no aporte para a obra. Porém, Cleto não falou na sua delação sobre uma possível participação do prefeito no esquema.

Cunha é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal que investiga um esquema de corrupção envolvendo as empreiteiras e já foi denunciado por supostos desvios na Caixa.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *