Congresso conservador: Araújo afirma que Brasil é vítima do climatismo

Congresso conservador: Araújo afirma que Brasil é vítima do climatismo

| IDNews | São Paulo | Folhapress | Via Notícias ao Minuto |Brasil|

O chanceler falou neste sábado (12) na abertura do segundo dia da Cpac, conferência conservadora que ocorre em São Paulo

IDN/Política

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o Brasil é vítima de uma ação ideológica mundial que se manifesta, entre outros pontos, pelo climatismo, que seria uma deturpação da discussão sobre o aquecimento global.

O chanceler falou neste sábado (12) na abertura do segundo dia da Cpac, conferência conservadora que ocorre em São Paulo. Devem discursar ainda os ministros Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

“O climatismo está para a mudança climática como o globalismo está para a globalização. A mudança climática deveria ser estudada de maneira serena, racional, mas também foi capturada por uma ideologia”, disse Araújo.Segundo o chanceler, o climatismo abandona a discussão dos fatos e se tornou um pretexto para a defesa da intervenção da economia.

“Os EUA saíram do Acordo de Paris e conseguiram reduzir suas emissões, por mecanismos de mercado, uso de gás natural, por exemplo. Mas Brasil e EUA são vilipendiados nessa questão”, disse. “O Brasil responde por 2% a 3% das emissões, já a China emite mais de 25%, e seus compromissos só começam a partir de 2030.”

Ele afirmou que, ao contrário do que se diz, o mundo não chegou ainda ao aumento de 2ºC considerado muito grave, e no ritmo atual só chegará a esse patamar no fim do século.

Segundo a Nasa (agência espacial americana) e o Copernicus (serviço de mudança climática da União Europeia), no entanto, os últimos cinco anos foram os mais quentes desde o fim do século 19.

A temperatura média global nos últimos cinco anos ficou 1,1°C acima dos tempos pré-industriais. De acordo com um relatório climático da ONU, as temperaturas subirão 1,5°C acima dos tempos pré-industriais em meados do século com as tendências atuais, com a perspectiva de um clima ainda mais extremo.

O Brasil, de acordo com o ministro, está enfrentando um arco ideológico que inclui, além do climatismo, o globalismo, o politicamente correto e até autores neomaoístas.

“Existe um arco ideológico que está funcionando contra o Brasil. O Brasil é um país conservador que está enfrentando esse arco.”

O país está na berlinda internacional em razão do aumento da devastação da Amazônia, especialmente pelas queimadas. Segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o desmatamento na região cresceu 96% em setembro em comparação com mesmo período do ano passado.

Ele também alfinetou a ativista sueca Greta Thunberg, 16, e até ironizou a frase “How dare you?” (como ousam?), que ela pronunciou na ONU.

“Essa Greta Thunberg, no mesmo dia que ela foi falar nos EUA, eu recebi uma foto de uma menina na Venezuela que tem 14 anos e pesa 14 kg. E a Greta com 16 anos, bem alimentada, nas Nações Unidas, as mesmas Nações Unidas que não fazem nada por essa menina da Venezuela. Eu que pergunto: how dare you?”

Ele também ressaltou a importância de se manter a liberdade total na internet. “Precisamos trabalhar 100% do tempo pela liberdade na internet; internet é igual a democracia”, disse.

Expoentes da direita frequentemente alegam estar sendo censurados na internet e se posicionam contra qualquer tipo de regulamentação.

Em seu discurso, em um hotel em São Paulo, Araújo fez uma longa explanação sobre o que é ser conservador. Um dos momentos em que foi mais aplaudido foi quando disse que se descobriu tardiamente um adepto dessa ideologia.

“O conservador é o sujeito menos preconceituoso que existe. Os nossos adversários é que gostam de pensar por rótulos, palavras de ordem. Para eles existe o gay, a mulher, o operário, o camponês. Para o conservador, existe essa e aquela pessoa. O esquerdismo é totalitário por isso, porque quer totalizar o indivíduo por uma de suas características.”

Ele também se contrapôs ao Iluminismo e à Revolução Francesa e seus ideais de liberdade, igualdade e fraternidade.

“Voltaire [iluminista francês] começou a querer lacrar”, afirmou. “Ele pegou as instituições de seu povo, milenares, disse que isso não servia para nada, desrespeitando a fé e a monarquia. Voltaire e seus seguidores pediam liberdade, igualdade e fraternidade: liberdade para obedecer o poder, fraternidade para eu tomar o que é seu e igualdade para ter medo de guilhotina”, afirmou.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *