Ensino de química: Um caminho suave e divertido para estudante

Ensino de química: Um caminho suave e divertido para  estudante

Trabalho de mestrado desenvolvido no CDMF criou um jogo de tabuleiro com 200 questões que envolvem o conteúdo de química para alunos do ensino médio

Um trabalho de mestrado realizado no Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) desenvolveu um jogo educativo que pode ser usado como ferramenta de apoio ao professor em sala de aula. A iniciativa tem facilitado o aprendizado dos alunos para fixação do conteúdo de química previsto no currículo escolar do ensino médio.

O mestrado, intitulado “Aplicação do Jogo Ludo Atomística no Ensino de Química”, produziu, através do grupo Ludo Educativo, o game Ludo Atomística. O projeto teve início em 2013, quando o professor Marcelo Fernandes, autor do trabalho, ingressou no mestrado profissional da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) na área de educação no ensino de química. “Tive a oportunidade de conhecer o professor Elson Longo, que me apresentou seus trabalhos na coordenação do CDMF, e falou sobre o Portal Ludo Educativo e o seu trabalho com professores de Educação Básica na divulgação científica”, disse.

Durante a realização do projeto, Marcelo desenvolveu uma metodologia atraente para ensinar de uma forma mais prazerosa e interessante utilizando o jogo. O Ludo Atomística funciona com o caminhar de um boneco pelo tabuleiro e, ao parar em certas casas, o estudante precisa responder questões sobre química. O game é constituído por 200 questões de múltipla escolha, acessadas aleatoriamente durante as jogadas, sobre quatro temáticas: modelos atômicos, conceito de elementos químicos, distribuição eletrônica e íons, tendo em torno de 50 questões sobre cada tema.

O jogo foi desenvolvido com a tecnologia HTML 5, em que é possível jogar utilizando qualquer navegador para acessar a internet, sem a necessidade de instalação de programas no computador. O game pode ser aplicado por qualquer professor que tenha interesse em desenvolver uma atividade lúdica de assimilação do conteúdo de química e pode ser acessado através do endereço: http://www.ludoeducativo.com.br/atomistica.

“Aplicamos o jogo na Escola Estadual Capitão Agenor de Carvalho, no município de Estiva Gerbi, interior do Estado de São Paulo, com 50 alunos de duas turmas do 1º ano do ensino médio, com faixa etária entre 14 e 16 anos. O jogo foi aplicado na sala de informática da escola, através do sistema Acessa Escola durante as aulas de química”, explicou Marcelo.

Para analisar o andamento dos alunos, o professor responsável pela aplicação do jogo conta com uma área exclusiva no Portal Ludo Educativo, podendo ter acesso aos rankings das turmas e também ao desempenho individual de cada estudante. Durante o desenvolvimento do mestrado, Marcelo fez uma coleta de dados com os resultados dos alunos. “Pude notar que eles tiveram um interesse maior no conteúdo, a partir de uma maneira interessante de ensinar e aprender. A ferramenta facilitou o aprendizado, saindo da rotina do caderno e da caneta. A participação dos alunos em sala de aula também aumentou, além do interesse  pelo conteúdo”, apontou.

Sobre o Ludo Educativo

O Ludo Educativo é um projeto de extensão universitária que surgiu em 2012, conta com cerca de 160 mil acessos mensais e tem jogos gratuitos sobre diversos assuntos que estão presentes no dia a dia de crianças e adolescentes, como a escassez de água, dengue, preservação do meio ambiente e a preparação para o vestibular.

A equipe do projeto é formada por designers, programadores e pedagogos da Aptor Software, uma empresa spin-off que surgiu nos corredores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Universidade Estadual Paulista (UNESP). Conheça mais jogos do grupo no site http://portal.ludoeducativo.com.br.

O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiados pela FAPESP. O Centro também recebe investimento do CNPq, a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN), integrando uma rede de pesquisa entre UNESP, UFSCar, Universidade de São Paulo (USP) e Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN).


Crédito imagens:
 Divulgação/CDMF
Fernanda Vilela – Assessora de Comunicação do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF)

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *