Passaportes brasileiros de ditadores norte-coreanos é trama mundial

Passaportes brasileiros de ditadores norte-coreanos é trama mundial
Diplomatas da embaixada norte-coreana em Brasília alegam tratar-se de uma falsificação inventada pela mídia ocidental imperialista para manchar a imagem da Coreia do Norte

05MAR2018|  7:55 - Mistério  - Foto:  © Reuters

Na semana passada, a agência de notícias Reuters revelou que o ditador norte-coreano Kim Jong-un e o pai dele e ex-líder do país, Kim Jong-il, tinham passaportes brasileiros emitidos na embaixada do Brasil na Coreia do Norte. O Fantástico, da Rede Globo, investigou a história e descobriu detalhes.

Como explica a matéria, no passaporte brasileiro, o ditador norte-coreano aparece como Josef Pwag e o pai dele é Ricardo Pwag. Ricardo é citado em vários outros documentos ligados a negócios da família Kim.

Segundo Ken Gause, o autor de um livro sobre a Coreia do Norte, Ricardo Pwag não existe. Trata-se de um nome de fachada usado pela família Kim na Europa e na Ásia.

Em contato com os registros comerciais da República Checa, onde os passaportes da família do ditador foram emitidos, o Fantástico descobriu que Ricardo Pwag aparece como sócio em três empresas, sendo que duas delas têm nomes em português: Bomsucesso, que fechou em 2013; e Liberdade, aberta até o ano passado. A terceira empresa, Hae Bong, ainda está aberta. As três compartilham o mesmo endereço em Praga, capital da República Checa.

Uma equipe foi até o endereço em que as empresas estão registradas. O homem que atendeu a porta afirmou que a história “é loucura”, pois “a casa é de uma empresa Tcheca há 20 anos”. No suposto endereço pessoal de Ricardo Pwag, ninguém atendeu.

Na empresa Liberdade, o sócio de Ricado Pwag é Ijong Tchoi, o nome falso no passaporte brasileiro de Kim Jong-il. O endereço dele é em Macau, no extremo sul da China.

Macau foi uma colônia portuguesa na Ásia até 1999 com ligação com a Coreia do Norte. Segundo o autor do livro, a região é um dos principais centros de operações financeiras ilegais da Coreia do Norte, pois o governo português abria muitas concessões.

Ao procurar o endereço em Macau, foi encontrado mais um endereço falso.

Autoridades brasileiras

O Itamaraty está investigando como os passaportes foram emitidos.

Na embaixada norte-coreana em Brasília, os diplomatas alegaram que trata-se de uma falsificação inventada pela mídia ocidental imperialista para manchar a imagem da Coreia do Norte e criar um incidente diplomático o Brasil e a Coreia do Norte.

Não se sabe se os ditadores chegaram a usar os passaportes brasileiros.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *