Yashuda e Porsani fiscalizam funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto

Yashuda e Porsani fiscalizam funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto
Na visita anterior no ano passado os parlamentares constataram que vários equipamentos como aeradores, peneiras e roscas não estavam…

 

28FEV2018| 8:3900 – Imprensa Câmara – Foto: ©Câmara Municipal de Araraquara 

O presidente da Câmara, Jéferson Yashuda Farmacêutico, e o vereador José Carlos Porsani, ambos do PSDB, fiscalizaram na manhã dessa terça-feira o funcionamento da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Araraquara. Durante a visita, os parlamentares receberam esclarecimentos do superintendente do Departamento Autônomo de Água e Esgoto (DAAE), Marcos Isidoro, e de técnicos da autarquia, sobre as medidas que estão sendo adotadas para a recuperação da ETE.

Na visita anterior no ano passado os parlamentares constataram que vários equipamentos como aeradores, peneiras e roscas não estavam funcionando, e que havia grande volume de lodo acumulado nas lagoas de tratamento, além de a via de acesso se encontrar em condições precárias de trânsito. Na época, considerando que o índice de eficiência da ETE estava em 65%, sendo que já havia chegado a 85%, foi entregue um requerimento à Prefeitura pedindo informações sobre as providências que seriam adotadas para que o local voltasse a operar com a eficiência desejada e também as medidas previstas para a recuperação da estrada.

O mínimo de eficiência no tratamento de esgoto exigido no estado de São Paulo pela CETESB é de 80%. Em setembro do ano passado, os vereadores aprovaram recursos para a contratação de um estudo geral sobre a eficiência da ETE e também para a compra de equipamentos que precisavam ser renovados.  De acordo com Isidoro, ainda esta semana o DAAE conclui um relatório completo sobre as medidas em curso para melhorar a eficiência da ETE. O documento será enviado à Câmara Municipal, à Promotoria do Meio Ambiente e à CETESB.

O estudo ainda não foi concluído, mantendo indefinidas ainda algumas medidas como a troca de peneiras usadas no tratamento primário do esgoto e também a retirada, secagem e destinação final adequada dos 140 mil m3 de lodo acumulados nas lagoas. O estudo deve definir a medida ideal da malha da peneira e a melhor técnica para a retirada, secagem e destinação final do lodo, além de poder recomendar uma mudança na técnica de tratamento, como o uso de carvão ativado, a exemplo do que é feito na Estação de Tratamento de Esgoto de Bueno de Andrada.

O superintendente do DAAE acredita que até meados deste ano a autarquia consiga melhorar o índice de eficiência da ETE, dentro das exigências da CETESB, em conformidade com o previsto no licenciamento de funcionamento emitido pelo órgão estadual.

Isidoro disse que na lagoa 1 todos os 16 aeradores estão em funcionamento e na lagoa 2 outra apenas 6, sendo que os demais aeradores encontram-se em processo de orçamento para manutenção e troca de cabos de sustentação.  Ele mostrou aos vereadores as três roscas (usadas para separar as sobras que passam pelas peneiras) que chegaram nessa segunda-feira (26), as quais devem ser instaladas ainda esta semana. Apenas uma rosca estava em funcionamento nessa terça-feira.

Em relação à estrada que dá acesso à ETE ainda não foram feitos nem o abalroamento para melhorar o escoamento da água, nem a colocação de piçarra. De acordo com Isidoro, a motoniveladora da Prefeitura está sendo usada nas obras de recuperação de pontes no Assentamento Monte Alegre.

Sobre o projeto aprovado pelo Fehidro (Fundo Estadual de Recursos Hídricos) no valor R$ 1,5 milhão, que estabelece uma contrapartida de R$ 500 mil do DAAE, o superintendente explicou que o projeto original aprovado pela câmara técnica do Comitê da Bacia Hidrográfica Tietê-Jacaré passou por uma revisão de batimetria em análise técnica feita posteriormente pela Cetesb. Inicialmente, o recurso seria para cuidar do lodo de uma das lagoas e, após a revisão técnica, com o mesmo valor será possível retirar, secar e fazer a destinação final do lodo das duas lagoas.

O sistema de tratamento e secagem do lodo proveniente das lagoas de sedimentação deixou de ser usado desde 2015 devido ao elevado custo operacional, principalmente devido ao custo do gás butano, combustível utilizado para a secagem do lodo.  Mais recentemente, os equipamentos receberam manutenção e voltaram a operar, mas o estudo técnico da eficiência da ETE deve indicar a viabilidade ou não deste tipo de sistema de secagem do lodo.

Até o momento, embora tenha havido diversos encaminhamentos e medidas estejam sejam aplicadas, continua comprometida a qualidade da água devolvida ao Ribeirão das Cruzes após passar pela ETE. “Vamos continuar acompanhando de perto, pois é imperativo recuperar a eficiência da ETE de Araraquara. É uma questão que vai além do simples cumprimento da legislação vigente, trata-se do comprometimento do nosso município com a qualidade da água e a proteção ao meio ambiente”, defendem Yashuda e Porsani.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *