A hora e vez do turismo rural paulista

A hora e vez do turismo rural paulista
Cadeia produtiva atua para estabelecer políticas públicas ao segmento turístico que não para de crescer

22NOV2017|  7:39 - Théo Bratfisch   - Foto:  ©Théo Bratfisch

A Câmara Temática de Turismo Rural do Conselho Estadual de Turismo da Secretaria de Turismo do Estado de São Paulo, se reuniu em 13 de novembro, na Assembleia Legislativa de São Paulo – Alesp, com entidades representativas e representantes do turismo paulista, Conselheiros de Turismo da Secretaria de Esporte Lazer e Juventude – SELT, instituições e órgãos públicos.

Esse processo de planejamento participativo e democrático permite a absorção de propostas, ideias e contribuições de todos, que resultou no relatório norteador de atividades com o lema: “Planeje hoje o seu trabalho de amanhã e trabalhe amanhã o seu plano de hoje”.

 Na ocasião, foram definidas diretrizes para legislação e  regulamentação com ordenação e políticas públicas como eixos fundamentais, dentre elas, a construção da política pública estadual de Turismo Rural, para o desenvolvimento e consolidação da atividade turística no Estado, com atenção especial para a preservação do patrimônio arquitetônico, cultural, ambiental e social rural, como condições prioritárias para a manutenção e consolidação  do segmento turístico.

O associativismo através de articulação setorial, através da Câmara Setorial de Turismo Rural, visa estabelecer parcerias interinstitucionais e intersetoriais para se atingir objetivos em comum entre a Associação Paulista de Turismo Rural – ABRATURR SP, com a Secretaria da Agricultura e Abastecimento, CATI, Secretaria de Turismo, Secretarias Municipais de Turismo e respectivos Conselhos Municipais de Turismo, Conselho Estadual de Turismo, Sebrae, Senac Senar, Universidades e Faculdades, Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural, Instituto Brasil Rural, Embrapa, Ministério do Turismo, entre outros, entidades representativas locais, regionais e nacionais.

Dentre as diretrizes, créditos e linhas especiais de financiamento para o Turismo Rural, de modo abrangente aos empreendedores de turismo rural e agricultores familiares, bem como  associações com cooperativas de reciclagem, fomento a programas de permeacultura, como ações de boas práticas a serem consideradas como opção de ação. A qualificação de produtos e a capacitação de  serviços, tem por objetivo, fortalecer a marca do Turismo Rural em São Paulo,  como elementos fundamentais para a sustentação e a competitividade dos empreendimentos na dinâmica do mercado turístico.

Pela manhã, a presidente a Associação Paulista de Turismo Rural, Andreia Roque, se reuniu com entidades e associações representativas, quando se definiu o apoio à “Feira Viva” que passa integrar o Turismo Rural. Participaram das agendas com a presidente da Associação Paulista de Turismo Rural, Carlos Zuppo Conselheiro do Conselho Estadual de Turismo e Marcia Azeredo (Aprecesp), Patrick Assumpção e Keila Malvezzi (Feira Viva – Instituto Corupituba), Ricardo Gomes, (presidente da Câmara de Comércio e Turismo LGTB), Luiz Bramante (Bramante Consultoria), Valéria Thomaz (Senac Jundiai), Luiz Henrique Miranda (Agência Amigo/Press Club), Ludwig Paraschin (Fazenda Angolana) e Patricia de Campos (Gentileza r.p.).

 Serviço

A Feira Viva, apresenta aos consumidores questões da cadeia produtiva relativas à produtos de origem com agricultura sustentável e à defesa do ambiente e gastronomia. A próxima edição acontece de 1 à 3 de dezembro no Memorial da América Latina em São Paulo.

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *