Chefe da Casa Civil de SP comprou apartamento por 30% do valor

Chefe da Casa Civil de SP comprou apartamento por 30% do valor

Braço direito de Geraldo Alckmin adquiriu um imóvel por um terço a menos do valor de mercado

Edson Aparecido é chefe da Casa Civil do governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). De acordo com o UOL, Aparecido comprou um apartamento de um empreiteiro que tem contratos milionários com o governo do Estado de São Paulo. O apartamento de luxo está em uma das áreas mais valorizadas da capital paulista, o valor paga pelo imóvel é um terço a menos do que seu valor de mercado.

Como refere a reportagem, em março de 2007, Aparecido começou seu segundo mandato como deputado federal pelo PSDB de São Paulo. Nessa época, ele comprou de Luiz Albert Kamilos e sua esposa, Sarah Giffali de Moura, um apartamento de 366 m². O imóvel possui quatro suítes, cinco vagas na garagem e sacada com vista para o parque Ibirapuera.

Edson Aparecido afirma que pagou pelo imóvel o equivalente a R$ 620 mil. No entanto, a escritura refere o valor de R$ 1,07 milhão.

Hoje, o apartamento do condomínio Maison Charlotte é avaliado em R$ 8,6 milhões. A reportagem consultou corretores que estimam que o valor atual seja entre R$ 7,5 milhões e R$ 10 milhões.

O valor do condomínio está acima de R$ 6.000 e o IPTU, segundo a prefeitura, será de R$ 23.535,30 neste ano (se pago à vista).

Luiz Albert Kamilos é o empreiteiro dono da Construtora Kamilos Ltda. Segundo o UOL, a empresa é especializada em infraestrutura de transportes e rodovias. A empreiteira realiza obras milionárias desde a década de 90 para o governo do Estado. A reportagem refere que nos últimos três anos, a Kamilos recebeu R$ 43 milhões do governo Alckmin. Os dados são do Portal da Transparência do Estado.

Resposta

Ainda segundo o UOL, Edson Aparecido nega que haja qualquer irregularidade na compra do referido imóvel. Aparecido ressalta que “não conhece” o empresário Luiz Albert Kamilos.

O chefe da Casa Civil de Alckmin disse à publicação, em uma primeira versão, que havia feito um acordo (não registrado) em 2001, para a compra do imóvel. A informação também está declarada na escritura.

Já na segunda versão, o secretário argumentou que nunca houve qualquer “acordo” e que tal informação consta de fato na escritura, mas é “confusa”.

De acordo com o secretário, ele comprou o imóvel por meio da imobiliária Coelho da Fonseca em 2007, mas não esclareceu o motivo de ter obtido o “desconto”.

Aparecido justificou que, como parte do pagamento, foi incluído outro imóvel seu, no valor de R$ 320 mil.

“Minhas respostas estão embasadas em minhas declarações à Receita Federal”, declarou o secretário. “Realizei uma compra completamente lícita. Não tinha como saber se o construtor imobiliário (sic) tinha negócios com o governo. Eu não era do governo e pouco me importava com as relações desse proprietário com quem jamais tive contato”, declarou Aparecido ao UOL.

A reportagem também tentou contato com o empresário Luiz Albert Kamilos, no entanto, o empreiteiro não respondeu.
Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *