Argentina denuncia Odebrecht por quintuplicar valor de obra pública

Argentina denuncia Odebrecht por quintuplicar valor de obra pública  
Foram denunciados ainda funcionários da secretaria de Energia do governo federal, da Enargas (órgão regulador e fiscalizador do setor de gás) e do Nación Fideicomisos (do Banco de La Nación)
12:47| 03/06/2016
Macri - Argentina

O governo do presidente argentino Mauricio Macri denunciou a Odebrecht por ter supostamente superfaturado uma obra de uma unidade compressora de gás no país. O contrato foi fechado com o governo antecessor, de Cristina Kirchner, e cotizava trabalhos a preços até 400% superiores aos de uma outra planta semelhante construída no país também pela Odebrecht, segundo publicou o jornal “La Nación”.

Foram denunciados ainda funcionários da secretaria de Energia do governo federal, da Enargas (órgão regulador e fiscalizador do setor de gás) e do Nación Fideicomisos (do Banco de La Nación). A própria gerência de operações do Nación Fidecomisos havia alertado, em maio, que algumas peças importadas pela Odebrecht tinham “uma brecha considerável” entre o valor apresentado antes e depois da compra. Em um dos casos, a diferença chega a US$ 28,8 milhões (cerca de R$ 100 milhões).

Procurada pela reportagem, a empreiteira brasileira informou que não comentaria o assunto. Ao jornal argentino, porém, negou as irregularidades e afirmou que os trabalhos nas plantas compressoras não podem ser comparados porque cada um tem características específicas -localização, logística, técnica de construção e prazo de execução.

Essa não foi a primeira vez em que a empreiteira brasileira apareceu ligada a casos de corrupção na Argentina. Em fevereiro, a Odebrecht foi citada na Operação Lava Jato por supostamente pagar propinas a funcionários públicos do país vizinho. Com informações da Folhapress.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *