Promotores explicam denúncia contra Lula

Promotores explicam denúncia contra Lula, Cassio Conserino revela que o que foi feito onde é resultado da leitura de uma investigação que já vem sendo realizada há seis anos

Na tarde desta quinta-feira (10), os promotores Cassio Conserino e Fernando Henrique de Moraes Araújo deram uma entrevista coletiva para falar sobre a denuncia deflagrada ontem e que envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sua esposa, Marisa Letícia, e um de seus filhos, Fábio Luis Lula da Silva.

Conserino começou explicando que a questão envolvendo o triplex é dividida: o apartamento está relacionado a uma questão estadual, mas o que tem dentro dele, as reformas, e o sítio de Atibaia, pertencem ao Ministério Público Federal. O promotor disse que enquanto várias famílias ficaram sem apartamento, um dos investigados foi contemplado com um triplex. “É esse o mote da denúncia”. Ele ainda revela que não existe o que chama de “juízo de valor” na denúncia.

Conserino aproveita para explicar que o que foi feito onde é resultado da leitura de uma investigação que já vem sendo realizada há seis anos e que culminou em uma denúncia por crimes de estelionato. Para o promotor, existem diversos crimes de estelionato e falsidade ideológica, no Guarujá está um dos tentáculos da organização, que estaria relacionado ao triplex que tem o nome de Lula entre os envolvidos.

Também participando da entrevista, o promotor Fernando Henrique de Moraes Araújo revelou que todos os investigados tiveram acesso aos documentos da investigação desde que ela teve início e ainda puderam entrar com procedimentos protelatórios. Dessa forma, ele afirma que não houve violação de princípios constitucionais, como chegou a ser questionado.

O promotor Cássio Conserino explicitou que “a Bancoop, ao transferir empreendimentos inacabados para a OAS, a empreiteira ficou como sucessora, mas não assumiu a postura correta para com os cooperados, já que passou a cobrar taxar criminosas, fracionou os terrenos para construção de prédios de alto luxo e vendidos além das pessoas já envolvidas nas propriedades”.

Tais atitudes “estabeleceram pânico entre todos adquirentes e cooperados da Bancoop, pois essas pessoas até hoje, nem pela bancoop ou pela OAS, receberam as escritoras”. As pessoas se viram obrigados a fazer uma opção simples: ou pagavam altos valores ou optavam pela devolução do dinehiro investido, em 36 parcelas, em um período de 12 meses para receber os valores”.

Uma das questões levantadas foi o motivo da operação ser feita em São Paulo e não no Guarujá. Sobre isso, foi explicado que todas as condutas encontradas quer nas assinatura de contrato, nas realizações das entregas fraudulentas operaram-se em São Paulo e, por isso, foi na capital paulista que aconteceram todas as questões envolvendo as transferências indevidas.

Os promotores explicaram que Lula foi indiciado por crimes de falsidade ideológica, com pena variando entre três a dez anos, e lavagem de dinheiro, que pode render entre um e três anos de reclusão. Marisa Letícia está denunciada por falsidade ideológica e o filho do casal, por lavagem de dinheiro. Os promotores explicaram ainda que, apesar de serem investigações diferentes, estão em contato com os responsáveis da Lava Jato e que irão compartilhar as provas produzidas. Conserino revelou que as denúncias contra Lula foram baseadas em provas testemunhais e documentais: funcionários do triplex, zelador, porteiro, funcionários da OAS, ex-funcionários, empresa responsável pela reforma, entre outros.

 Para os promotores, não existe dúvida de que o triplex estava sempre destinado a ser de Lula e sua família.

Noticias

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor - Câmera -

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *