Vereador questiona o destino do prédio do antigo IAP

Vereador questiona o destino do prédio do antigo IAP
Durante a visita, o parlamentar encontrou grades cortadas, muros com entradas ilegais e colchões dentro do prédio, dando a entender...

7:48 |Assessoria de Imprensa | 2018JUN07 

O vereador Gerson da Farmácia (MDB) visitou, na manhã desta quarta-feira (06), o prédio do antigo Instituto Araraquarense de Psiquiatria (IAP), localizado na Vila Xavier. A instalação é um constante alvo de reclamações devido ao abandono e pelo impasse do que seria implantado no lugar do extinto hospital.

Durante a visita, o parlamentar encontrou grades cortadas, muros com entradas ilegais e colchões dentro do prédio, dando a entender que ainda existe o problema com moradores de rua e usuários de entorpecentes.

O serviço do IAP funcionou entre 1972 a 1997. Desde que as atividades foram encerradas, várias perguntas começaram a surgir em relação ao possível destino que seria dado a construção. Os moradores viviam a insegurança da grande frequência de consumidores de drogas e de indivíduos que utilizaram o local para queimar fios roubados das residências da região para a retirada de pequenas quantidades de cobre, vendidas para a compra do crack. O medo da população era que algo mais grave acontecesse ali.

Na 67ª Sessão Ordinária da 17ª Legislatura da Câmara Municipal de Araraquara, realizada na noite desta terça-feira (5), Gerson da Farmácia apresentou um requerimento solicitando informações à Prefeitura sobre providências acerca do estado deplorável e perigoso do local.

Recentemente, situação do abandono pareceu estar parcialmente resolvida, pois o prédio vinha sendo utilizado por praticantes de PaintBall. Entretanto, após um tempo, voltou a ficar em estado de vulnerabilidade com a saída do hobby.

Disputa jurídica

A área foi objeto de disputa jurídica. Doada a um grupo de médicos em 1970 para a implantação do IAP, a Prefeitura tentou retomar a área em 2003, já que o serviço havia encerrado suas atividades em 1997. A disputa não contemplou a pretensão do município, que em 2006 adquiriu a área por pouco mais de R$ 1 milhão, com a intenção de instalar a Câmara Municipal no local. Com a desistência de implantar o legislativo, outras propostas surgiram, como sub-prefeitura do distrito da Vila Xavier, secretarias municipais e outros.

Investimento

Parte das instalações já teve destinação. O prédio no meio do terreno abriga o Centro de Artes e Ofício da Prefeitura e a Oficina Cultural Lélia Abramo, órgão do governo do estado. Os dois serviços abrangem a área cultural.

Em 2017, foi anunciada a construção da escola Adventista em outra parte da área. A instituição de ensino será construída numa área de 5.362 m² cedida pelo município e abrigará até 1.200 alunos, do maternal ao 3º ano do ensino médio, em 24 salas, contando, inclusive, com um auditório de 480 lugares.

Confira mais fotos no Flickr da Câmara: https://flic.kr/s/aHsmd8nW39

Rafael de Angeli faz nova manifestação contra a política de preços dos combustíveis

About Beto Fortunato
Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Beto Fortunato

Jornalista - Diretor de TV - Editor -Cinegrafista - MTB: 44493-SP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *